Quarta-feira, 30 de Dezembro de 2009

A Queda do Império Romano

À cerca de 1500 anos caiu o Império Romano Ocidental, perante as hostes de Oduarco, que invadiu Ravena (então Capital Imperial) após vencer Orestes, o líder bárbaro depôs o último imperador Ocidental, Rómulo Augusto, e enviou os símbolos imperiais para Constantinopla.

Após cerca de 1000 anos caiu o Império Romano do Oriente, face ao Império Otomano.

Com a queda do Império Romano deveu-se, essencialmente, a uma má preparação administrativa e política, não conseguiu o Império assegurar a evolução jurídica face ao crescente tamanho do Império, bem como da instabilidade política e sucessória do trono imperial.

Aos problemas políticos surgiu um crescente deficit financeiro, devido ao sistema fiscal romano assentar na cobrança de impostos por privados, bem como na insuficiência de capital para todas as despesas do governo romano, em particular da cidade, face à política do panem et circencibus, em que o Estado romana alimentava e distraia os cidadãos da Cidade Eterna.

O deficit financeiro pode determinar a ruína de uma civilização... quem não conhece o passado e a história, tem por hábito repeti-la.

publicado por Réspublica às 16:22
link do post | comentar | favorito
|
12 comentários:
De Anónimo a 30 de Dezembro de 2009 às 21:12
Caro Réspublica,

estória de um bêbado à noite debaixo de um candeeiro.
Chega um transeunte:
- O que está a fazer?
Bêbado:
-Eu? Hips! Procuro as chaves do carro, deixei-as cair.
Transeunte:
Mas porque é que as procura aqui?
Bêbado:
- Ora ... À luz!

As sumidades intelectuais que nos dirigem seguem a mesma racionalidade desnorteada que o bêbado noctuno. O problema da nossa época, é que estes grandes bêbados são quem tem o poder.

Cordiais cumprimentos
Calisto Barbuda


De Moluco a 30 de Dezembro de 2009 às 22:45
Ena! Aqui fala-se a sério...
Parece que já acabou a Semana de Gays no 31...

Há quem diga que o Império Romano nunca terá acabado!... Sofreu apenas uma transformação política inteligente... que até foi progressiva.
1º começou a incluir domínios concessionados - foi o caso na Hispânia. Até à queda oficial, os reis Suevos eram independentes, mas "vassalos" de Roma.

Na melhor das hipóteses terá acabado nalguns estados, com a separação de Henrique VIII... e depois com os estados mais laicos.

A sua observação, ninfa das bermudas, está óptima!


De Ega a 31 de Dezembro de 2009 às 09:11
Amigo Respública:

Então aquela fufa ainda anda a massacrar os ouvidos de toda a gente lá no 31?
Aquilo é uma campanha orquestrada e dirigida: Neves, Campilho e Moita estão na berlinda.
Porquê, por quem?

Diga ao Pignatelli que o JAM lhe manda cumprimentos. Que se lembra muito dos irmãos dele, Agostinho e Ataide Q.

Para si, um excelente Ano Novo. Um 2010 cheio de força.
Vamos conversando por aí.


De Réspublica a 31 de Dezembro de 2009 às 10:38
Quando estiver com ele lhe direi.. até lhe digo que por sua causa sou quase-monárquico de bragança... mas não do PPM, como é claro...


De Nuno a 31 de Dezembro de 2009 às 11:28
Caro Rés.

Por razões óbvias, cliquei em cima do seu nick name lá no 31 e descobri a sua loja (não confundir com aventais ou compassos) ao que vou começar a visitar com alguma frequência, pois pelas outras bandas o ar começa a ser irrespirável !

Ainda há poucos dias me lembrei dos ciclos políticos que irremediavelmente acabam em ditaduras repressivas; não fui tão longe como o império Romano, mas fiquei-me pela primeira Republica e por um personagem que considero sinistro que dava pelo nome de Afonso Costa.

Veio-me há memória este negro período pois existe um clima na blogosfera que dá a entender que a carbonária voltou a sair à rua de bastão na mão o que me deixa a pensar :

Será que o Sócrates tem uma "formiga branca ?"

Se bem me lembro, a repressão anárquica levou a que chegassem ao poder primeiro Sidónio Pais, Pimenta de Castro nunca teve força suficiente para meter mão naquilo; e anos mais tarde Oliveira Salazar !

Entretanto, já que por aqui também comenta o caro Ega, será que juntamente com os seus (dele) amigos da monarquia não andará à espreita na Galiza com as antigas tropas de Paiva Couceiro ?

Será uma monarquia absolutista a solução para esta salada de grelos ?


De Réspublica a 31 de Dezembro de 2009 às 11:48
Não, o Ega quer a monarquia, mas constitucional, e com o estado do Estado não sei se não acaba por ter razão, mas é um facto maus governos terminam sempre em ditaduras, não foi só a primeira república, também foi assim em Espanha antes da União Popular chegar ao poder e começar a matar, prender e roubar indiscriminadamente, o que determinou o início da guerra civil e a chegada ao poder dos falangistas, na Itália de Mussolini, na Alemanha de Hitler, na Rússia aquando da Revolução de Outubro, na China do Komitang , na América latina, no Vietname do Sul, etc... são inúmeros os exemplos.
Se calhar Portugal (e mesmo a Espanha) caminham inevitavelmente para tal situação, não sei mas tem que se reflectir nesse problema...
Veja-se o caso do 31, deixou de ser um espaço de liberdade para se tornar mais um caso de claustrofobia democrática, primeiro foi oi Crull , mas penso que o Pinto Mascarenhas também não escapa...


De Nuno a 31 de Dezembro de 2009 às 12:47
Sabe Rés, eu sou Republicano convicto, mas respeito a monarquia como respeito outras formas de ver a democracia desde que esteja sempre presente um sentido de estado democrático; como tal abomino o absolutismo seja ele à esquerda ou à direita, o que quer que isso signifique pois já não sei como distinguir as várias correntes políticas, nem eles sabem, digo eu...

O que mais me confunde nos monárquicos é de que lado da barricada eles estão, se do lado de D.Miguel se do lado de D. Pedro IV e acho que no fundo é essa a questão que perturba muitos Portugueses até porque D. Duarte é, como sabe, descendente de D. Miguel, e por conseguinte um "proscrito" da coroa !

Para Portugal cair numa situação de absolutismo não basta a crise, os Portugueses têm de sentir que estão asfixiados democraticamente como no tempo de Afonso Costa e de todos os regimes que acima mencionou, apesar de tudo não penso que estejamos ainda nesse ponto, mas lá poderemos chegar.

A maçonaria é um polvo de longos tentáculos e a sua influência na justiça Portuguesa já enjoa Portugal e isso aliado a uma crise económica e social poderá ser o rastilho que falta.

Quanto ao 31, não sei que lhe diga, sou cliente há pouco tempo e a impressão que me dá é que a "crise" é mais ciumeira que outra coisa, sendo que o efeito é ampliado pelos ataques da "formiga branca" a qual parece vir em especial dos lados do Arrastão e do Jugular... Veremos como acaba !


De Réspublica a 31 de Dezembro de 2009 às 16:00
Tem toda a razão, mas sabe a mim parece mais que os amigos monárquicos são todos liberais, mesmo os miguelistas, até defendem que no fundo D. Miguel não era absolutista, mas anti-maçom, pelo que defendia um modelo mais tradicional de cortes, contrário ao modelo parlamentar revolucionário francês, mas se falar com o amigo Ega e/ou com o amigo que anda(va) pelo 31 chamado JAM, vê que o D. Duarte também descende pela mãe do D. Pedro IV e ~defende uma monarquia de modelo inglês...


De Nuno a 31 de Dezembro de 2009 às 16:44
Sabe caro Rés, para quem é do Porto como eu; aliás sou de Gaia o que seguindo a tese de alguns historiadores deu origem à cidade do Porto sendo que Cale era o nome celta da cidade de Gaia e Portus Cale o porto da mesma devido a ter águas mais profundas na sua margem, adiante; como dizia eu, para quem é do Porto, a figura de D Pedro IV está sempre envolta no mais profundo respeito; para nós Portuenses muito em particular, D Pedro IV foi um rei heróico, lutou na guerra civil no cerco da cidade ao lado do povo, e como reconhecimento a ela doou o seu coração que ainda hoje se encontra religiosamente guardado na igreja da Lapa.

D. Pedro, era um Rei que não acreditava no poder absoluto e até posso acreditar que há altura a intenção de D Miguel até fosse boa pois os tempos eram conturbados, e os Republicanos daquele tempo recorriam à força das armas para impor a sua vontade.

Eu estou convencido que se D. Pedro não tivesse abdicado do trono em prol da sua filha, muito provavelmente ainda hoje viveríamos numa monarquia.

Como princípio, a monarquia é um regime que não me desperta a alma pois se houveram Reis heróis também os houveram cobardes, loucos, incompetentes e absolutos e numa república, esses actos podem ser castigados por sufrágio.

Ir selectivamente à história à procura de heróis para legitimar as virtudes de ter alguém que é educado sob os princípios da boa regência ignorando os maus exemplos é fugir à verdade, por isso nunca me baseei na história para me convencer se realmente a monarquia seria a solução.

O que me pode fazer estudar o tema da monarquia é efectivamente os exemplos que temos no presente que apesar de ser constituído por algumas figuras reais de grande relevo, é rico também noutros heróis legitimados pela vontade do povo com uma importância tão grande e maior na história que tiveram os Reis contemporâneos.

Em modo de conclusão deste meu pequeno pseudo-ensaio, acredito que a competência dos homens não se adquire por via genética e não adianta citar a história à procura de um salvador; num regime onde quem governa é sempre legitimado por sufrágio, entregar o país às mãos de um Rei cuja figura é meramente representativa em nome de uma tradição não resolve os problemas que temos, mas apesar de tudo, espero sempre ouvir por parte dos crentes algum argumento que me incuta alguma dúvida razoável !

Quanto ao absolutismo, também me custa a acreditar que alguém o considere uma solução, como também não acredito em regimes presidencialistas; penso que a nossa República está bem como está, falta-lhe é gente e de cada vez mais, o que sem dúvida é assustador.


De Réspublica a 31 de Dezembro de 2009 às 17:06
Sim não é a genética o mais detemrinante, mas se ver bem a situação é claro que a partir de D. Afonso IV a dinastia afonsina caiu em maus reis.
Enquanto que a dinastia de aviz caiu quando o ramo de lecastre foi substituido pelo de beja.
A dinastia de habsburgo so teve um rei mau (o último) por causa do abandono do respeito pelos direitos nacionais.
A última teve muito maus reis, era o próprio sangue bragança que era contaminado, muitos dos seus membros eram dementes, mas após se mesturar com sangue alemão melhorou, veja os filhos de D. Fernando II.
Em todo o caso parece que que a genética tem algum efeito, mas a educação do futuro rei também, veja o caso espanhol, o Gen. franco percebeu que a monarquia não pdoeria ser restaurada sem mais no Conde de Barcelona, retirou-lhe o filho e educou para ser um rei brilhante, que é...


De Maria da Fonte a 31 de Dezembro de 2009 às 18:52
Caros Moluco e Calisto

Feliz 2010

Caro Rés
Caro Ega
Caro Nuno

Percam umas horas do próximo ano a avaliar a Tese do Da Maia, no Alvor Silves.

Sobre a Pangeia e a deriva dos Continentes, tem lá um Mapa muito interessante onde descobrimos que afinal a Àfrica era a América, a nossa, claro.

Sobre Impérios, Rés ,talvez depois de lêr os textos e os comentários, compreenda porque eu tanto detesto o Império e os seus sucedâneos, particularmente a Repúblique.
A da falsa Revolução, e a Maçónica-francesa, que nos roubou o passado e a História da maneira mais ignóbil.

Há 500 anos que vivemos uma mistificação. E nos últimos 240, até a memória nos roubaram.

Somos um País à deriva a meio do Oceano Atlântico, sem saber se completa a travessia, ou se dobra o Cabo das Tormentas.

A África afinal era a América!
Mas que não se confunda a Costa da Mina, das Minas de Ouro do Novo Mundo, com o Riff de África, na Costa Oriental, com o qual não temos qualquer ligação genética ancestral.

E a grande interrogação que nos fica, é o que foi afinal o Tratado de Tordesilhas.

Porque não foi o que está escrito. Isto, se é que alguém sabe o que lá está escrito.

Votos de Feliz 2010

Maria da Fonte




De Réspublica a 31 de Dezembro de 2009 às 20:40
Deve ser por o meu avô paterno ser descendente de italianos ou por ser de direito, mas a civilização romana é que está na minha matriz, é a base da nossa organização adminsitrativa, do direito e da cultura e religião, pergunte ao amigo Ega se não acha o mesmo...


Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Junho 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30


.posts recentes

. Candidatura presidencial ...

. Israel

. 1ª Semana...

. Victoria!!!

. XXXII Congresso

. Pedro Passos Coelho a últ...

. Liberdade...

. Frase que fizeram históri...

. Música francesa... Gabrie...

. O anonimato nos blogs...

.arquivos

. Junho 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

blogs SAPO

.subscrever feeds