Quarta-feira, 10 de Fevereiro de 2010

Liberdade...

Nos meus cadernos de escola,
Sobre a carteira, nas árvores,
Sobre a neve, sobre a areia — escrevo o teu nome
Em toda a página lida,
Em toda a página em branco,
Sem papel, na pedra ou na cinza — escrevo o teu nome
Sobre as gravuras douradas,
Sobre as armas dos guerreiros,
Sobre a coroa dos reis — escrevo o teu nome
Na floresta e no deserto,
Sobre os ninhos, sobre as gestas,
Nos ecos da minha infãncia — escrevo o teu nome
Nas maravilhas das noites,
No pão branco das jornadas,
Nas estações de noivado — escrevo o teu nome
Nos fiapos de azul-celeste,
No tanque solar bolor,
No lago lua vibrante — escrevo o teu nome
Nos campos, nos horizontes,
Nas asas dos passarinhos,
Sobre os moinhos de sombras — escrevo o teu nome
Em cada sopro de aurora,
Sobre o mar, sobre os navios,
Na insensatez das montanhas — escrevo o teu nome
Nas nuvens soltas revoltas,
Na tormenta transpirada,
Na chuva insistente e boba — escrevo o teu nome
Sobre as formas cintilantes,
Nas campânulas de cores,
Por sobre a verdade física — escrevo o teu nome

Sobre as veredas despertas,
Nos caminhos desdobrados,
Sobre as praças transbordantes — escrevo o teu nome
Na lâmpada que se acende,
Na lâmpada que se apaga,
Nas casas cheias de gente — escrevo o teu nome
No fruto cortado em dois,
O do espelho e o do meu quarto,
Na concha sem mim depois — escrevo o teu nome
No meu cão terno e guloso,
Mas sempre de orelha em pé
E patas destrambelhadas — escrevo o teu nome
No trampolim da minha porta,
Nos objectos familiares,
Nas línguas do lume bento — escrevo o teu nome
Em toda a carne acordada,
Na fronte dos meus amigos,
Em cada mão que me afaga — escrevo o teu nome
Na vidraça das surpresas,
Sobre os lábios expectantes,
Muito acima do silêncio — escrevo o teu nome
Nos refúgios descobertos,
Nos maus faróis desmontados,
Nas paredes do meu tédio — escrevo o teu nome
Sobre a ausência do desejo,
Sobre a solidão desnudada,
Nos descaminhos da morte — escrevo o teu nome
No retorno da saúde,
No risco que se correu,
Na esperança sem lembrança — escrevo o teu nome
E, pelo poder de um nome,
Começo a viver de facto:
Nasci para te conhecer e te chamar LIBERDADE
Paul Eluard
publicado por Réspublica às 19:41
link do post | comentar | favorito
|
1 comentário:
De Marquesa de Carabás a 18 de Março de 2010 às 09:12
Um fantástico poema de Paul Eluard que é sempre agradável recordar.


Cumprimentos ,


Marquesa de Carabás


Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Junho 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30


.posts recentes

. Candidatura presidencial ...

. Israel

. 1ª Semana...

. Victoria!!!

. XXXII Congresso

. Pedro Passos Coelho a últ...

. Liberdade...

. Frase que fizeram históri...

. Música francesa... Gabrie...

. O anonimato nos blogs...

.arquivos

. Junho 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

blogs SAPO

.subscrever feeds